Saiba por que deixar seu filho estudar em grupo

Eu sempre fui uma mãe meio turrona, teimosa, cabeça dura, que não cede facilmente, diz não às coisas mais simples, não quer estar errada.

Será que você não é um pouco assim?

Na educação dos nossos filhos criamos e fortalecemos muitos paradigmas retirados da nossa própria experiência de vida e tidos como “lei”. Estão certos e devem ser seguidos inquestionavelmente. Mas paradigmas errados devem ser questionados e mudados.

Isso aconteceu comigo na semana passada e foi bastante interessante. Um dos meus filhos disse que estudaria em grupo para uma prova e eu falei que estudar em grupo era “sem futuro”, ninguém aprendia nada e que era pura perda de tempo. Simplesmente disse que não concordava com esta programação. Pensei e falei: “_Eu nunca estudei em grupo e sempre fui boa aluna”. Então, tinha uma convicção, baseada em minhas próprias experiências a respeito desse assunto, de que não há crescimento pedagógico no estudo compartilhado. Puro engano!

Assisti a uma palestra, TED(Technology Entertainment Design), de Steven Johnson, “De onde vêm as ideias?”que mudou meu conceito. Nela, ele explica, através da história, sobre o surgimento das casas de cafés e de chás da Inglaterra, como uma opção ao debate lúcido de pessoas, em contraponto às discussões embriagadas, em bares que ocorriam normalmente. Neste ambiente sóbrio, onde as pessoas conversavam socialmente e havia troca de experiências, as ideias surgiam. As grandes ideias nascem de observações de fatos e coisas que acontecem espontaneamente. É só imaginarmos que Isaac Newton não provocou a queda da maçã da árvore. A partir da observação da queda da maçã, ele teve um “eureka”, e pensou que havia algo mais atrás daquela queda e nos trouxe a Lei da Gravidade Universal. Isso não é fabuloso?

Quando percebi tudo que esta palestra me trouxe de acuidade sobre o tema, sugiro que você a assista, tive um desmontar de convicção em minha cabeça. E pensei: pôxa, vida! Eu fui bem nos estudos, mas eu poderia ter sido melhor se tivesse estudado mais em grupo, se tivesse compartilhado mais e recebido mais das outras pessoas. O Senhor nos fez para vivermos em comunidade, e temos dons específicos e diferentes.

“Assim como cada um de nós tem um corpo com muitos membros e esses membros não exercem todos a mesma função, assim também em Cristo nós, que somos muitos, formamos um corpo, e cada membro está ligado a todos os outros.” Romanos 12.4, 5.

Há muitas outras passagens bíblicas sobre “uns aos outros”. O Senhor realmente não nos quer na solidão! E para isso Ele nos dá discernimento, em muitas situações, para entendermos um pouco da criação maravilhosa que Ele fez!

Três dias depois da negativa do estudo em grupo, meu filho veio novamente e falou que os colegas estavam querendo marcar um novo momento de estudos para a prova. Daí, respondi: “_Ótimo! Pode ir”. Ele me olhou com um olhar esquisito, tipo: “Que estranho! Mudou de ideia foi?” rsrsrsrsrrsr

Eu mesma não estava me reconhecendo… Mas, depois de abrir minha mente para novos aprendizados, percebi que meus filhos podem ir muito mais longe do que eu fui e que, no grupo, eles podem crescer bem mais. Poderão desenvolver habilidades requeridas para os dias de hoje como: trabalhar em equipe, resolver problemas, ser resiliente e ser criativo, entre outras mais. Quem sabe virar um cientista? Pode ser…

Eu não quero ser limitadora do potencial deles. Você quer?

Obviamente, não sejamos levianas. Precisamos saber como o estudo é feito, onde, com quem e acompanharmos seus resultados. Sejamos hospedeiras dos grupos em nossas casas.

Se as companhias não forem boas, não há coisas boas a serem descobertas e agregadas às vidas dos nossos filhos.

Mas o Senhor vai nos dar sabedoria e discernimento para tudo isso!

Que os nossos filhos sejam os cientistas, pregadores e descobridores do amanhã, em nome de Jesus!

Um grande abraço,

Samara Queiroz

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.